quinta-feira, 28 de julho de 2011

Guest Post: Impostos altos são necessários?

Conversando sobre economia com um amigo surgiu a questão da tributação. Como ele, Diego Rodrigues, é um estudante de Economia, na FEA, aproveitei pra fazer a seguinte pergunta:

* Os nossos altíssimos impostos são realmente necessários ou são apenas uma bengala utilizada devido à falta de capacidade, planejamento e administração do nosso governo?

Abaixo está a resposta:

Os nossos impostos altíssimos ao contrário não são nem um pouco necessários; claro que isso depende se o bem e/ou serviço estudado apresentam demanda e oferta elástica ou inelástica. Mas isso não vem ao caso. O problema é que quando o governo cria um imposto há também a criação do chamado peso morto, quem bem em tese se refere ao valor que um determinado setor da economia deixa de ganhar.

Por exemplo, se eu coloco imposto muito alto nos sorvetes as pessoas irão procurar outras fontes para substituir o sorvete, no caso suponhamos que as pessoas irão passar a consumir geladinhos. Como muitas pessoas irão consumir geladinhos por causa do alto preço dos sorvetes, algumas empresas de sorvetes irão fechar e/ou ir para outro ramo da economia, como de fato ocorre de muitas empresas fecharem e/ou irem para outro ramo da economia. Com isso o país perde um determinado valor e a isso damos o nome de peso morto.

Nesta questão temos exemplo de um bem que possui demanda elástica, ou seja, uma pequena variação no preço faz com que a quantidade vendida desse bem varie muito. Isso ocorre com os bens e /ou serviços que não são essenciais ou que tenham substitutos próximos, como a Coca Cola, Pepsi e bens supérfluos. O cigarro, por exemplo, possui taxação de 450% e esse alto imposto sobre o cigarro foi feito de certa forma até inteligente pelo governo, pois ele - o governo - pode arrecadar bastante carga tributária , já que o cigarro é um bem de demanda inelástica, ou seja, a pessoa que fuma não deixará de consumir o produto se houver variação no preço pois esses consumidores, na maioria dos casos, são viciados.

Já no caso do Ipad o governo está cobrando uma carga tributária alta para, em tese, proteger a indústria nacional, principalmente no que se refere às empresas de computadores portáteis, mas entra também a questão de que no Brasil não existe um imposto unificado.

Existe um imposto federal (cofins), estadual (icms) e municipal (ipi) o que acaba encarecendo ainda mais o preço dos produtos. Se existisse um imposto unificado o preço dos produtos seria menor e isso acontece em muitos países; inclusive, aqui no Brasil, existem propostas de reformas tributárias que são a favor dessa unificação dos impostos.
Na Suécia o valor dos impostos é de 54% da renda total produzida no país, mas lá as pessoas não tem que ter o fardo que nós temos aqui com gastos com saúde e educação. No Brasil os impostos representam 34 % do nosso PIB, mas quando esse valor alto foi criado, a intenção era que acontecesse algo semelhante ao que ocorre na Suécia.  Mas como no Brasil as coisas acontecem de forma muito lenta, isso acabou por se perpetuar até os tempos de hoje.

Os impostos elevados não são necessários para manter a máquina estatal em funcionamento.  Isso depende de país para país. No caso do Brasil, como foi citado e explicado acima, todo esse processo que envolve tributação ocorre de forma precária e, muitas vezes, desorganizada.

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir