segunda-feira, 4 de julho de 2011

O Capitalismo é melhor


Adendo em 26/02/2015

Caros leitores, quando escrevi esse texto eu ainda era um jovem e pretensioso padawan. Meus conhecimentos do tema tratado eram muito mais superficiais e vazios do que minha arrogância poderia supor.

Hoje a minha compreensão não é muito mais profunda, mas minhas opiniões são consideravelmente opostas e - gosto de acreditar - um pouco mais embasadas. Ainda assim, não tenho coragem de escrever outro texto sobre o assunto, justamente por me faltar estudo e bagagem, coisa que não consegui perceber na época.

Então fiquem à vontade para ler o texto, mas espero que possuam um bom filtro para bobagens e argumentos falhos.

Obs. Não, não estou dizendo que o comunismo é melhor, ou que x ou y é melhor. 

Boa leitura!


_____________________________________


Criticar e demonizar o capitalismo se tornou para muitos um exercício diário. Gostar do capitalismo é ser concentrador de renda, malvado, insensível. É tirar o sorvete da menina, bater na velhinha ou matar de fome as pobres e famintas crianças africanas.

A palavra maniqueísmo é a que melhor representa 99% das discussões sobre o assunto.  “Capitalismo malvado!”, “Capitalismo Tirano!”, “Imperialismo!”. Tente ir contra e logo será chamado de Fascista Nojento ou Puxa-saco dos Estados Unidos. Se você for pobre então e mesmo assim não acha que o Capitalismo é a reencarnação de Judas, automaticamente se torna um traidor do movimento ou um pobre iludido, sem personalidade.

As correntes mais comuns atualmente são as pró-comunismo. Diga que nenhum sistema baseado no comunismo deu certo e logo dirão que não aplicaram a coisa direito. União Soviética? Nhá! Stalin estragou tudo... Cuba? Cuba é um paraíso tropical, que isso... China? Ela abriu as pernas pro Tio Sam...
 
Muitos propõem a migração para outro sistema, mas complicado mesmo é apontar para qual. Do jeito que alguns falam, até parece que é só trocar Windows por Linux. A verdade é que o comunismo teve sua vez e se mostrou ineficaz. Os exemplos remanescentes são de dar pena...
 
Ao invés de sair por aí gritando e exigindo um mundo melhor, com nuvens de algodão doce e rios feitos de Nescau, considero muito mais produtivo discutir reformas. A história da humanidade mostra que revoluções no âmbito das economias tendem a ser, mais do que qualquer outra coisa, desastrosas. Claro que também há aqueles, um pouco mais moderados (ou menos radicais) que falam de uma revolução gradativa. Não sei se isso existe... Mas a questão aqui é que acredito piamente que o sistema vigente é melhor do que qualquer outro que já tenha sido tentado, levanto em conta, obviamente, o nosso contexto. Ele possui inúmeras falhas, sim, mas nada é perfeito.
 

Nesse ponto sou obrigado a concordar com as seguintes frases de Winston Churchill:
 
"O vício inerente ao capitalismo é a distribuição desigual de benesses; o do socialismo é a distribuição por igual das misérias."

"A democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos".
 
Voltemos então às reformas: não precisamos nos acomodar com os males do capitalismo, com suas falhas, e deixar por isso mesmo. E, aliás, não deixamos. Reformas é o que mais fazemos, exatamente por não se tratar de um modelo estático e imutável. Desde 1929, data da maior crise econômica já vista, inúmeras reformas foram adotadas. E estamos aí, firmes e fortes, e olha que Estados Unidos e Europa ainda não se recuperaram da crise que teve seu início em 2008, o que parece uma ironia, considerando o que eu acabei de dizer. Aí está outra diferença fundamental entre Capitalismo e Socialismo. 

O modelo atualmente predominante passa por essas crises e sai delas fortalecido e aprimorado. No Socialismo qualquer leve intempérie era motivo para o fim do mundo. Não podemos nos esquecer de que já passamos por algo em torno de 46 grandes crises e que cada uma delas resultou no aprimoramento do sistema ou ao menos numa adaptação necessária apara a superação da crise.

Ou seja, o capitalismo e a democracia se adaptam e se fortalecem, enquanto o comunismo, quando sofre um tremor, desfragmenta-se.
"Nunca houve tanta miséria como agora!" Mentira! Proporcionalmente falando a miséria, a expectativa de vida, a participação social e demais aspectos melhoraram imensamente. Não faz sentido analisar a partir de um raciocínio unicamente quantitativo. Seis décadas atrás aproximadamente três bilhões (um pouco menos) de pessoas andavam sobre a terra, hoje, quase sete bilhões. Os números mudaram e poderíamos dizer que hoje mais pessoas morrem em comparação com o ano de1950, mas afirmar isso desconsiderando a alteração na quantidade de habitantes seria um ato de parcialidade manipulativa e leviana. Proporcionalmente falando, hoje a miséria é muito menor do que era antes.
 
Em suma, o capitalismo é melhor ou pelo menos mais eficiente, pragmaticamente falando, considerando o momento histórico em que vivemos. Por mais conservador que possa parecer, essa é a verdade. As mentes mais românticas e idealizadoras tendem a discordar. Nada mais compreensível. Não precisamos e não devemos nos submeter a tudo a que nos impõe, não precisamos aceitar tudo de cabeça baixa, mas, por favor, sejamos mais racionais e críticos.
O Capitalismo está morto - Será?

36 comentários:

  1. Fernando, seja bemvindo ao meu blog, vi seu comentário lá e vim espiar aqui! :) Bacana! É sempre bom ver gente escrevendo e pensando ao memso tempo, hehe.

    Ó, sobre essa coisa do capitalismo e comunismo, eu acho que o grande erro da maior parte das pessoas - talvez o seu no texto também, hehe, na minha modesta opinião - seja homogeneizar esses sistemas assim. "O capitalismo" e "o comunismo". O que ocorre é que há "capitalismos" e "comunismos"... Alguns comunismos tiveram sua vez, assim como alguns capitalismos - não todos de nenhum dos lados.

    Pessoalmente não acho que um sistema "dá" ou "não dá" certo. Acho que cada um tem seus prós e seus contras e nós, enquanto seres racionais, sempre faremos críticas ao que existe buscando reconstrução, mudança, etc. Tampouco de forma homogênea - geralmente defendemos aquilo que nos privilegia, que é de nosso interesse mesmo quando não percebemos. Vale uma leitura de Bourdieu... :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Mari. Obrigado pelo comentário.
    Eu concordo com você que essa questão do que é ou não melhor é bastante relativa.
    Sistemas eleitorais e partidários são um ótimo exemplo disso. Varia de país para país o sistema eleitoral/partidário mais adequado.
    Ou o Federalismo, por exemplo, que pode ser positivo para uma nação e negativo para outra.
    E da mesma forma que existem diversas formas de federalismo, entendo que possa existir modelos diferentes de socialismo. Sim, são coisas diferentes, mas acho que vale a analogia rs

    Fui bastante simplista no texto e estava considerando as concepções tradicionais de Socialismo e Capitalismo.

    Lerei o autor que você recomendou. Algum texto específico?

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Eu continuo a achar o capitalismo um sistema gasto e necessário de substituir. E também acho que a substituição do capitalismo não deverá passar por uma substituição brusca, mas por uma mudança gradual. O capitalismo é bastante canibal. O jogo do monopólio resume o que é capitalismo. Hoje há a associação do capitalismo com a democracia e isso é o seu maior triunfo, porque as pessoas pensam que se deixar de houver o capitalismo deixará de haver a democracia, e como estão tão apegados a essa migalha ilusória de controlo, não querem se abdicar dela, e votam no capitalismo. Os sistemas comunistas que referiste fracassam porque não foram democráticos, marx não idealizou o socialismo como democrático também, aliás, para ele o socialismo dispensaria o uso de governos, super-utópico é certo. Mas um comunismo democrático poderia fazer um melhor sistema do que o capitalismo. O capitalismo é muito individualista, é a lei da selva, centenas controlam milhões para o benefício de dezenas, e o seu aperfeiçoar passa sempre no aperfeiçoamento das formas do contolo, e nunca pelo bem estar do povo. Por que é que constantemente colapsa? O capitalismo cumpre as leis malthusianas, quando acontece algum desenvolvimento que poderia permitir igualdade e recuros iguais a todas a gente, isso leva a excedentes demográficos que criam a escassez desses recursos. Mas nós sabemos que não há escassez de recursos, mas excedentes que são jogados fora para não criar inflação. Epá, Fernando, o capitalismo tem as suas vantagens é certo, parece ser um sistema meritocrático, mas isso é falso, porque aqui é: deus dá nozes a quem tem nozes, e não dentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós não votamos no capitalismo por que achamos democratico,votamos por que o capitalismo traz luxo,pode trazer carros de luxo,casas de luxo, e varias outras mordomias,já o socialismo deixa todo mundo pobre a exemplo de Cuba , ninguém deixaria de morar nos EUA Europa ou Japão para morar em Cuba.

      Excluir
  4. Concordo com você em parte.
    Mas acredito que possa haver uma mescla (maior do que a que há hoje) de Capitalismo e preocupação social.

    Não sei se o capitalismo é um sistema gasto, acredito que não.
    Sim, pode haver um defasamento e, de fato, há, mas vejo um socialismo democrático (ou de qualquer tipo) como ineficaz, prometendo muito mais do que é capaz de oferecer.

    Okay, uma minoria concentra uma grande quantidade de renda, enquanto outros precisam se aguentar com um salário mínimo.

    Queimamos comida para evitar inflação, enquanto milhões passam fome. Mas não podemos ter uma perspectiva assim tão direciona, sem considerar outros fatores.

    A economia muitas vezes funciona assim, mas não precisa ser. Se é para haver uma revolução, penso então que seja uma por um capitalismo melhor.
    Já foi muito pior do que hoje e podemos aprimorar ainda mais.

    ResponderExcluir
  5. Eu entendo o que estás a dizer, Fernando, porém considerando que o capitalismo baseia-se num sistema económico que é se resume mais ou menos na lei do mais forte, melhorá-lo ao ponto de não queimar comida para que ninguém morra de fome, torna-lo-á não capitalismo, mas comunismo. Entretanto, da mesma maneira, considerando os exemplos socialistas que tivemos, tornar o socialismo democrático destruirá boa parte da sua natureza malévola. Eu acredito que a solução está na partilha e divisão equilibrada, e como o socialismo é o único sistema que apela a isso, tudo o que consigo fazer é pensar em como usar as vantagens do capitalismo nesse sistema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comunismo e capitalismo são antagonistas. Não exite a união de ambos. Se o capitalismo desperta o interesse individual é fato. Entre tanto fornece mais oportunidades do que qualquer outro sistema. Isso por que não foi levado em consideração que só há capital se houver quem compre e este é a população. Resumindo, o capitalismo fornece crescimento tanto econômico quanto individual. Já o socialismo ( E não comunismo, já que esse é um sistema ideológico que matou milhões de fome e perseguição) não oferece oportunidade de crescimento o que leva a deterioração da sociedade.

      Excluir
    2. Só para deixar bem claro. Não é uma opinião minha. é fato. É história.

      Excluir
  6. Acho o sistema que idealizamos são bastante próximos. A diferença está apenas na perspectiva.
    Enquanto você acredita na possibilidade de um socialismo com doses de capitalismo, eu acredito num capitalismo com doses de socialismo.

    Escolas públicas de qualidade, sistema de saúde público de qualidade, transporte público de qualidade. Mecanismos de resgate social, amparo governamental etc. Tudo isso é coisa "comunista", mas que é muito bem aplicável no capitalismo. Muitos países já são assim, alguns melhores, outros nem tanto.

    Aqui, por exemplo, por mais que exista milhões de miseráveis, ninguém morre de fome. Alguns até morrem nas filhas de hospitais, esperando serem atendidos, mas não é regra.
    O SUS (Sistema Único de Saúde) oferece tratamento médico gratuito para todos. Nem sempre o tratamento é de qualidade, nem sempre a pessoa consegue o tratamento que necessita, mas ele está aí. Não vai chegar uma conta de milhares de reais na sua casa depois que você for atendido, como ocorre nos EUA.

    Ainda precisa melhorar muito, mas acredito que estamos no caminho. Por isso que sou mais reformista do que qualquer outra coisa. Aos pouquinhos, com investimentos e seriedade, a coisa vai melhorando. Eu mesmo, por exemplo, usei o SUS toda a minha vida, e não foram poucas vezes.

    ResponderExcluir
  7. A substituição do capitalismo deve ser a mais alta prioridade desse século. O capitalismo é ineficiente, primitivo e degradante. Não é uma questão de maniqueísmo, é óbvia. Ele teve o seu papel, quando os recursos eram escassos, mas num mundo tecnológico onde a abundância de recursos pode produzir um mundo absolutamente amonetário e capaz de oferecer um padrão de vida muito mais alto do que o nível de vida das atuais pessoas mais ricas, para todos, o capitalismo se torna simplesmente insustentável. A economia é uma questão técnica, não política. Só estamos vivendo num mundo ineficiente e primitivo porque fomos educados como chimpanzés, o que é do interesse das também ignorantes elites. Mas isto está mudando, não só por causa do problema estrutural da economia capitalista, mas também por conta de uma geração que por mera sorte dispõe de um alto fluxo de informações que talvez tenha se tornado irreversível. Se essa tendência se manter, mais e mais insatisfeitos se responsabilizarão pelo desenvolvimento de uma economia técnica baseada em recursos e não num conceito ultrapassado como dinheiro, onde há trocas comerciais. Para mais informações: www.zeitgeist.com, é só estudar em detalhes.

    Nós não seremos estúpidos para sempre. O capitalismo está se tornando tão obsoleto quanto as quinquilharias de baixa tecnologia que nos vende, porcarias feitas para quebrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não fosse pelo capitalismo eu e você não estariamos aqui conversando pela internet...

      Excluir
    2. Ele reconheceu as benesses e avanços trazidos pelo atual sistema, mas hoje este já se apresenta como insustentável em quase todas as suas estruturas setoriais, precisamos de reforma conjuntural, que seja por outra globalização, mais humana e viável tbm as futuras gerações. Não dá mais pra termos economia de mercado ditando as regras do jogo e pilhando os recursos finitos da nossa casa Terra.;

      Excluir


    3. Você verá vários blogs das comunidades na parte política elogiando o paraíso perdido do socialismo. Nenhum deles indica um modelo existente real de socialismo. Se é um bom sistema político deveria ter várias nações que lhes sirvam de modelos para esse tal enaltecimento? O que eles proferem é o socialismo utópico, irreal num mundo real.

      O socialismo é a grande ilusão dos séculos futuros. Embora prometa a prosperidade, a igualdade e a segurança, só proporcionou pobreza, miséria e tirania. A igualdade foi alcançada apenas no sentido de que todos eram iguais em sua miséria. Se a população não tem sapato, utiliza o chinelo. Todos estão satisfeitos. Olha o modelo cubano com a libreta de alimentação.

      Os socialistas não admitem o fracasso ao redor do mundo. Eles comparam o socialismo puro, que é uma utopia, na ausência de sua eficiência no mundo real, com o capitalismo real, imperfeito, o que lhes permite afirmar que o socialismo é superior ao capitalismo. Não existe no socialismo um modelo real de nação socialista que lhe sirva de parâmetro.

      O mundo é imperfeito por natureza e se não fosse qualquer sistema político, funcionaria. Em um mundo perfeito, com cidadãos perfeitos, recursos infinitos qualquer sistema econômico ou político funcionaria perfeitamente. Vivemos num mundo imperfeito, com cidadãos imperfeitos e recursos limitados. Para que haja equilíbrio o sistema econômico a ser escolhido deve promover a eficiência econômica. Qual o sistema que mais adapta a essa característica?

      É o capitalismo, com todas as imperfeições possíveis, que tem algumas características, incentivo, lucro e direito a propriedade. O direito a propriedade é uma das características do desempenho do ser humano. O socialismo real não tem incentivo, não tem direito a propriedade, tudo é centralizado e o objetivo principal é o Estado.

      Interessante nesse debate entre capitalismo e socialismo, o ser humano, o cidadão, o refugiado, opta pelo lado mais prático, procura refugiar-se no capitalismo, sendo a imagem desse modelo os Estados Unidos. Ninguém procurar trabalho em Cuba, na Rússia, China, etc. Eles fazem a mesma escalada do ser humano que saiu da África para outros continentes para sobrevivência. Por que todos fogem e viajam enfrentando perigos para chegar ao "império capitalista do mal "? É uma boa pergunta para os socialistas responderem.

      Existe uma piada russa que diz: Qual o melhor inferno, capitalista ou socialista? É claro que é o socialista. Um dia faltam fósforos, outro dia falta combustível, no outro, o caldeirão é levado para reforma ou os diabos estão em reunião do partido.

      A principal diferença entre o capitalismo e o socialismo é: o capitalismo funciona.

      Excluir
    4. Por que vcs socialistas tem tanta inveja dos ricos? o capitalismo é o melhor sistema que já foi inventado, o EUA é exemplo de um país caitalista onde todos admiram! e Cuba é um grande exemplo do socialismo onde a população é pobre e não tem esperança de uma vida com luxo e conforto.

      Excluir
    5. Por que vcs socialistas tem tanta inveja dos ricos? o capitalismo é o melhor sistema que já foi inventado, o EUA é exemplo de um país caitalista onde todos admiram! e Cuba é um grande exemplo do socialismo onde a população é pobre e não tem esperança de uma vida com luxo e conforto.

      Excluir
  8. Muito bom o seu comentário! Mesmo não concordando com a essência do mesmo, dá pra ver claramente que existe um princípio lógico aí e que não é apenas um grito infantil e rebelde por mudanças.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado pelo reconhecimento do princípio lógico, mesmo discordando. É uma raridade encontrar pessoas dispostas a discutir idéias com certo distanciamento, sem o envolvimento de egos. Infelizmente, a espécie humana ainda não opera pela lógica.

    Seu artigo é bom e na minha opinião, é uma crítica plausível ao comunismo. Entretanto, acredito que precisamos entender que existem outras opções. O comunismo é uma filosofia do século XIX e nossa forma atual de capitalismo é uma versão nova de um sistema ainda mais antigo. Nosso avanço técnico real, e não o comercializado, pemite a quase total erradicação do trabalho pela automação, liberando-nos para a ciência, a arte e outras funções criativas.

    também existe a questão ecológica. Dificilmente o ecossistema tolerará, por exemplo, mais 100 anos de aumento de uma massa consumidora e de um parque industrial que praticamente ignora as consequências do uso de uma tecnologia suja. As tentativas de criação de um capitalismo "consciente" tem sido ridículas. Destruímos produtos ou os produzimos de maneira ineficiente para que a superoferta não derrube os preços e a obsolescência programada mantenha o ritmo de consumo. O fracasso de Copenhagen é só um pequeno exemplo de nossa estagnação.

    A competição é nossa maior fraqueza, e não nosso maior mérito. Podemos construir uma civilização altamente avançada e colaborativa, com excelente nível de vida, se nos movermos para uma economia baseada em recursos. Vivemos em cidades péssimas, numa vida ridícula de quase trabalho escravo, voltada a adquirir produtos ruins, sob a opressão de problemas sociais que tem sua origem num sistema de escassez, gerenciado pela irracionalidade de políticos e administradores sem absolutamente nenhuma educação científica.

    Acho que a posição de alguém quanto a isso tem tudo a ver com olhar para o passado ou para o futuro. O capitalismo se provou melhor que sistemas anteriores e nisso, acredito que você está coberto de razão. Mas como outros sistemas, ele deverá ser superado, e na minha opinião já passa da hora. Ele, definitivamente, não é nossa melhor opção. É por isso que eu milito no movimento Zeitgeist, que corrobora essas idéias e já tem milhões de membros em todo o mundo. São pessoas organizadas pela construção de uma economia baseada em recursos e gerenciada tecnicamente, não politicamente.

    Enfim, desculpe se abusei do espaço. Só quis expor um pouco mais, já que houve abertura. Achei o blog interessante e continuarei acompanhando. Se alguém leu e se interessou por uma economia baseada em recursos, assista o documentário Zeitgeist: Moving Forward.

    ResponderExcluir
  10. Anónimo, eu acredito que o capitalismo precisa de ser mudado, mas duvido que Zeitgeist, com a estrutura que foi apresentada é que vai mudar o mundo, abolindo o capitalismo. O Zeitgeist, a não ser que aconteça a uma escala global e promova a substituição em todas as frentes de uma só vez (o que resultará por sua vez em ressonâncias graves e culturas rejeitadas, ou seja no fracasso do que promete), não fará mais nada do que substituir os actuais capitalistas por uns novos exploradores, com um nome diferente. Vamos ver o Projecto Vénus, para andar precisa de injecção monetária que se conseguirá apenas por um método capitalista, e acreditas que as proto-cidades do PV vão ser habitados por pobres escolhidos aleatoriamente ou pelos ricos que sustentaram o projecto? Eu sou um utopista, mas a radicalidade do Zeitgeist vai ser mais um problema do que solução. Aliás, já tivemos exemplo disso com a URSS, onde em vez de se fazer um mudança gradual, foi tudo forçado.

    ResponderExcluir
  11. Entendo seu ponto de vista, Pentacúspide, o fracasso de uma mudança cultural dessas proporções é sempre uma possibilidade. Mas, para aqueles que acreditam que a origem da luta pelo poder e da exploração é o sistema monetário, fica difícil imaginar como os futuros "comandantes" das cidades explorariam os habitantes, se não há lucro e há abundância de recursos.

    Agora, não se pode confundir com uma proposta comunista, não tem nada a ver. Zeitgeist não é um movimento do proletariado, nem pretende ser. Zeitgeist também não promete aceitação passiva de todas as culturas, muito pelo contrário. É um processo de substituição de todas as culturas, por uma técnica, eficiente e racional, no que tange a nossa sobrevivência e bem-estar. Com relação a alguns detalhes das culturas tradicionais, acredito que poderiam ser mantidos sem problemas, desde que não sejam obstáculo a uma sobrevivência planejada. O problema cultural gradualmente deixaria de existir conforme gerações de crianças nascidas nas novas cidades recebessem alto nível educacional.

    É verdade que o projeto depende do capitalismo para começar, e de fundos, enquanto o sistema base for antigo. Isso é chamado por nós de transição, e é um processo semelhante à substituição do feudalismo, por exemplo. Zeitgeist também não é anarquista, se por anarquismo entendermos as idéias do século XIX. As decisões "políticas" passam a ser decisões técnicas, mediante nossos recursos, não gostos ou decisão popular. Acreditamos que uma gestão eficiente e que nos permita ampla liberdade e felicidade não pode ficar nas mãos de qualquer partido, aliás, eles não são necessários para nada.

    Acredito que há muita confusão quanto a questão política, e é necessário um estudo atencioso para notar as nuances. Apesar do movimento ter alguns jovens revolucionários, ele não propõe uma revolução armada, ou qualquer coisa semelhante. Acreditamos que o capitalismo dá sinais de cansaço e cairá de maduro, enquanto nossas cidades se erguerão de forma constante e planejada. Zeitgeist não pretende resolver os problemas dos excluídos do dia para a noite: as primeiras cidades deverão ser habitadas por aqueles hoje capazes de levar o projeto adiante, ou seja, principalmente cientistas e engenheiros, que apesar de usarem fundos capitalistas para a construcão, estarão independentes da economia externa em pouco tempo.

    Ao longo do tempo, a insatisfação das massas com seus governos e a comparação do padrão de vida antigo com as cidades que se mantém numa economia baseada em recursos será fator de conscientização significativo. É quando os mais desfavorecidos provavelmente aderirão por livre escolha ao novo sistema, tornando ele muito mais eficiente, pois com a queda de governos, muito mais recursos estariam disponíveis e um nível excelente de vida poderia ser gradualmente atingido por todos.

    Acima de tudo, não se trata de uma utopia. Poderíamos viver nesse sistema hoje, se fosse o desejo de todos. Não é, e não será enquanto a elite temer que seu padrão de vida caia, e não aumente, o que acontecerá numa economia baseada em recursos. Assim, para nós é fundamental que a elite faça parte do projeto, pois a massa de excluídos não terá dúvida de integrar-se ao sistema, quando vê-lo em funcionamento. Mas nada impede que usemos fundos capitalistas para ir construindo as cidades. O capitalismo servirá ao seu substituto com prazer. Hoje, milhares de empresários, grandes e pequenos já doam recursos. No futuro, não precisamos temê-los, pois numa EBR não há como manterem o esquema de exploração que nos mantém na pré-história.

    Por fim, admito que podemos falhar. Não acreditamos no destino manifesto. Pode dar tudo errado, no sentido de não conseguirmos estabelecer uma EBR. Mas para aqueles que acreditam, baseados na análise fria de indicadores econômicos e sociais, que temos uma boa chance, o caminho só pode ser trabalhar para o estabelecimento da EBR. É isso que estamos fazendo, de forma pacífica.

    ResponderExcluir
  12. excelente comentário dia 2

    ResponderExcluir
  13. Engraçado reler certas coisas que escrevemos...
    Tem algumas partes no texto que hoje eu discordo totalmente. Talvez eu fale sobre elas num outro post.
    Mas, no que concerne à essência da questão, eu continuo com uma visão reformista e acho inaplicável qualquer sistema socialista no contexto atual.

    ResponderExcluir
  14. aff, melhor mesmo é o anarquismo, o único que não teve chance.

    ResponderExcluir
  15. Virgílio Moreira3 de março de 2015 22:15

    Não existe qualquer possibilidade de comunismo democrático, como disse alguém aqui. E por uma razão bem óbvia: o comunismo iguala as pessoas e ninguém quer ser igual a ninguém. A competitividade é natural do ser humano, todos querem se destacar dos demais, inclusive os próprios líderes comunistas. Não há exceção, salvo apenas os abnegados e santos. Sendo assim, para igualar as pessoas, eliminando as classes sociais, o comunismo tem, obrigatoriamente, que recorrer à força. Comunismo e democracia são absolutamente incompatíveis entre si.

    ResponderExcluir
  16. Virgílio Você não faz ideia da besteira que escreveu. Primeiro, você definitivamente NÃO SABE o que é comunismo e deixa-se levar pelo senso comum como muitas pessoas, que acham que o comunismo funciona de um jeito, mas na verdade, funciona de outro, sugiro que você leia sobre o tema (ex: comunismo não prega essa igualdade entre as pessoas que você pensa não ex2: comunismo é democrático em sua essência) Por fim, somos competitivos, individualistas e consumistas por que assim fomos educados para ser, afinal vivemos em um sistema capitalista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Por fim, somos competitivos, individualistas e consumistas *por que* assim fomos educados para ser, afinal vivemos em um sistema capitalista."...
      Não entendo porque tanto vejo essa associação entre consumismo e capitalismo (não que não seja verdade), acho estranho, acusar tanto o consumismo enquanto se está sentando na frente de um computador, usando a internet, porra, temos todos que nascer e viver como zumbis, apenas seguindo a rotina, sem entretenimento algum?
      "afinal vivemos em um sistema capitalista.", kkkk...

      Excluir
  17. OBS: Não defendo o comunismo, sou simpatizante da EBR (economia baseada em recursos) a qual já foi mencionada acima.

    ResponderExcluir
  18. Na verdade o capitalismo tem de ser substituído pelo humanismo e não pelo comunismo. Quando todos perceberem que devem trabalhar por si pela família e pela própria humanidade se conseguirá muitos avanços. Mas infelizmente nossa sociedade atual talvez não esteja preparada para trabalhar por ideais maiores por uma evolução humanitária pela ciência e pelo amor ao próximo.(Porem como a esperança é a última que morre) Mas um dia isso vai acontecer se não destruirmos o planeta antes. Devemos viver pela vida pela dignidade de tudo e todos não por dinheiro ou recompensas. Simplesmente de ser feliz e ver o outro feliz já seria a “recompensa”. Os trabalhos mais insólitos seriam substituídos ou por quem gosta ou por maquinas, mas isto penso que se não destruirmos o planeta e conseguirmos viver mais um milênio no ano 3.000 teremos um mundo realmente muito bom ou morreremos no processo. E questão de sobrevivência do nosso mundo. Temo o dia da extinção do urso polar e de outras espécies e do fim da humanidade creio eu que somente fazer as coisas por fazer pois você faz para toda humanidade e para si mesmo alem de todos os seres que conhecemos animais plantas etc. Ira trazer não só nossa sobrevivência mas uma revolução no coração do universo nosso e nos poderemos atingir nosso potencial máximo. Creio nisto. Mas como acho que não irei vier para ver isto temo que se nos próximos 20 ou 30 anos se não pararmos de destruir o planeta nos estaremos extintos. Não quero isto para minha sobrinha não quero isto para nada nem ninguém, pois amo a vida como um todo. Tenho atualmente 33 anos em 2015. Creio que vou viver para ver ou a morte ou a salvação deste planeta e da humanidade por volta de 2050. Espero que a razão vinda do pensamento que acima de ser único seja suplantada por todos somos um.

    ResponderExcluir
  19. Tive que fazer um debate na minha escola sobre sistemas econômicos, onde fomos sorteados em um grupo. Meu grupo eram os capitalistas, e seu texto me ajudou imensamente. Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Fico feliz que tenha ajudado! Espero que o debate tenha sido bom!Abraços

      Excluir
  20. Interessante, o autor pede para que seus leitores sejam "críticos", porém isso não é verdade. Basta observar como ele se comporta durante sua exposição, ou seja, ele é tomado por um espírito autoritário e arrogante, pois para ele a única verdade está encerrada em sua própria visão de mundo. Esse não é um texto destinado à reflexão, como o próprio autor diz, mas sim e unicamente, um texto de doutrinação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Roberta. Como eu disse lá no início, esse texto de fato é fruto de uma arrogância infundada. Por acreditar que a reflexão que eu estava fazendo era algo além de superficial. Agora doutrinação eu acredito que não,ainda que o texto esteja repleto de conclusões fáceis, falácias das mais básicas e inúmeras falhas de raciocínio.

      Abraços

      Excluir
  21. Adorei o seu texto, Fernando Borges! Uma leitura de fácil entendimento, nada arrogante, ou, doutrinador. A única falha, foi encontrar nos seus comentários o raciocínio curto e desrespeitoso de Roberta!

    ResponderExcluir
  22. Calem-se todos e pensem! Avante Capitalismo

    ResponderExcluir
  23. Calem-se todos e pensem! Avante Capitalismo

    ResponderExcluir